terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Subversivos: Admirável Liberdade.




Quando decidiu andar seu próprio caminho ouviu de tudo: “Como conseguirá se manter assim, sem um grupo, um corpo?” “Ah, isso certamente tem algo por trás, diga a verdade quer mesmo é sair e curtir a vida, né?”
Aos poucos percebera que era escravo duma vida que não era dele, e pior, estava condicionado a tudo por conta de pequeno... não... ínfimo grupo de amigos.

Juntou a agonia que nunca lhe saiu da alma com  certa atitude advinda do rock and roll e foi viver a vida assim, livre das regras impostas por outros.
Começou a perceber só aí que o mundo ao invés do aquário que lhe pregavam, é na verdade vastíssimo oceano. Que a vida ‘livre’ tem claro suas implicações, mas não são mais as regras impostas num ambiente que se dizia livre.

Hoje se sente bem, e ao contrário de seus amigos ainda pagando  preço alto de terem vendido suas almas a um sistema sufocante, não tenta ‘catequizar’ ninguém ao seu modo de vida, pois como ofereceria algo que não lhe pertence? Vai seguindo a vida um dia depois do outro descobrindo seus limites, errando, caindo, querendo acertar. E quem disse que não há quem ande com ele?

Sua caminhada é longa e está apenas começando...
Bem vindo ao início de sua nova vida, bem vindo à você mesmo!

Wendel Bernardes.

Um comentário:

Aqui escreve-se sobre ficção, ou sobre fatos à luz da mente do escritor. Assim sendo, cada um deles pode ser tão real quando uma mente pode determinar.
Seus comentários serão bem vindos se não forem ofensivos.

Ocorreu um erro neste gadget