sábado, 16 de novembro de 2013

Eles Estão Entre Nós – O Poderoso Kenoah (2).





Algo entre o uivo e o lamento é ouvido na madrugada escura e fria. Até a Lua decidiu esconder-se talvez pelo medo, ou ainda quem sabe apenas para não testemunhar as loucuras atrozes que se farão na noite de hoje.
O som amedrontador e contínuo, além de fazer a alma gelar ecoa como um chamado, ou alerta.
As poucas luzes teimosas escondem-se atrás das cortinas. Cada um agradece segundo sua fé por estar em casa e de certa forma, pede alívio ou morte rápida para as pobres vidas que ainda perambulam desavisadas nessa cidade esquecida por todos.

Uma sombra densa e palpável segue demoníaca figura que com olhos arregalados e faro preciso buscando por vítimas das garras e dentes sedentos de sangue. Pouco depois de alguns instantes de busca, silencia seu chamado agourento. O faro acha algo; uma vítima em potencial de seu macabro propósito.

O jovem simples caminha pesadamente pelos becos escuros da cidade enquanto pede – quase em prece – que alguma condução que o leve para a segurança de seu lar, apareça como que um milagre e o salve de seu cansaço das mais de 13hs fora de casa.
Ainda se pergunta se conseguirá agüentar esse ritmo frenético e louco. Precisa de cada centavo do salário prometido pelo rico empregador, mas sabe que nunca realizará seus sonhos futuros de formar-se em medicina se essa carga horária não relaxar.

Um ronco de motor interrompe suas elucubrações... um coletivo!!
Ele reúne suas últimas forças, ignorando a dor presente o dia inteiro em seus pés e decide correr para não perder, quem sabe, a última chance de chegar em casa ainda escuro.
Infelizmente suas forças e gritos são insuficientes para chegar, ou mesmo sensibilizar o conduto do ônibus que abandona Rubem sozinho à própria sorte.
Ele mal sabe que o risco que corre é ainda maior do que simplesmente passar a noite na rua ao relento e no frio de julho.

Numa esquina, coisa de um tiro de pedra dali, seu algoz lhe sorri envolto em sombras toscas e profundas, certamente não geradas apenas pela noite. Ele se delicia com o momento e perde instantes preciosos arrazoando sobre a forma furtiva que levaria seu ataque. Não é apenas a sede de sangue que move tal criatura, mas a vaidade do crime perfeito, desde a forma mais exata de fulminar sua vítima, passando por uma perfeita entrada triunfal, teatralizando a triste cena até dar cabo da pobre e desavisada vida.

Longe dali, uma mãe preocupada, porém possuidora de uma fé madura olha no relógio e decide, ao invés de usar seu telefone, dobrar seus joelhos no que julga ser a mais correta forma de zelar pelo seu filho. Em prece breve, mas sincera, pede ao seu Deus proteção para o ‘menino’ que ainda se mantém a essa hora na rua. Naquele exato instante algo acontece no mundo sobrenatural quando forças lendárias são movidas a agir com furor obedecendo à prece sincera e focada da caminhante.
Ele se ergue, cinge seu corpanzil de seu aço milenar e num olhar perscrutador salta desde o infinito abrindo suas morenas asas para mais uma missão mortal. Um justificado não pode aguardar sequer um segundo. O tempo é crucial.

O jovem, absorto pela sua frustração é vencido pelo sono e cansaço e ali mesmo, agachado na rua adormece profundamente enquanto por detrás, algo incomensurável cresce e prepara-se para tragá-lo.
Valendo-se da velocidade da queda vertiginosa, Kenoah usa suas asas cor de âmbar num desenho aerodinâmico perfeito e as abre enquanto gira no ar visando cair exatamente em cima da sombra infernal.
Apenas olhos dum guerreiro místico poderia mesmo saber, dentre tamanha e profunda treva, onde cravar sua espada, agora flamejante de fogo espiritual. Usando de força, precisão e destreza, ele finca seu aço no demônio por cima, ainda em queda, terminando a possibilidade do mal, ele atravessa o algoz negro em questão de milissegundos. Nem urro, nem blasfêmia podem ser proferidos simplesmente por não haver tempo para tal.
As sombras obliterantes somem instantaneamente enquanto o corpo podre de Hugart apenas vira pó.

Kenoah vitorioso mais uma vez, ainda contempla Rubem dormindo, absorvido pelo cansaço na calçada. Os primeiros raios de sol surgem no horizonte e ele, por cima dos ombros percebe a aproximação de novo coletivo na direção de ambos. Antes de sumir, ele toca seu protegido da vez, despertando-lhe a tempo de ainda voltar pra casa.

O jovem sente o toque, se vira e embora não se sinta só, nada consegue ver. Pega sua mochila, limpa desorganizadamente seu rosto, levanta-se e faz sinal para o coletivo. Kenoah ainda o observa, como que querendo garantir seu trabalho até o fim. Abre semi-sorriso que denota um serviço extremante bem feito, e ainda se dá o direito de possuir além do sentimento de dever cumprido, alegria de saber que o futuro de Rubem, será ainda maior que ele aguarda. Certamente os planos dos céus não poderiam se frustrar hoje... Não se dependessem dele.

Abre mais uma vez as asas incomuns, e alça vôo para o desconhecido.
Sua nova missão ele simplesmente desconhece, mas certamente estará preparado para agir, seja ela qual for.    

Wendel Bernardes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui escreve-se sobre ficção, ou sobre fatos à luz da mente do escritor. Assim sendo, cada um deles pode ser tão real quando uma mente pode determinar.
Seus comentários serão bem vindos se não forem ofensivos.

Ocorreu um erro neste gadget