sábado, 19 de janeiro de 2013

Apenas um diálogo.




-Pois não... No que posso lhe ajudar?
-Na verdade não sei ao certo. Ando muito triste.
-As tristezas são coisas naturais na vida... Consegue apontar os motivos das suas?
-Poderia dizer que é a forma que lido com minha família...
Encontro-me cansado das mesmas coisas todos os dias; a apatia se abateu nos meus relacionamentos...
Ou ainda com meu trabalho. Passei anos formando-me, graduando-me, mas ganho talvez um terço do que um profissional do meu quilate deveria.
Meu carro estragou, meu grupo de bilhar se desfez... Briguei com um grande homem.
-Algo mais?
-Ah, já que perguntou, tem sim...
-O que seria?
-Perdi o ‘grande amor da minha vida’, tudo porque deixei a apatia se abater...
-O ‘grande amor’... Está falando...
-Ah não... Antes de casar... Era um belo relacionamento, mas escapou-me das minhas mãos como água.
-E então?
-Então? Diga você!? Você é o terapeuta!
-Primeiro quero que você entenda que não se elucida algo assim como que num passe de mágica. Quero que saiba...
-Sem rodeios, por favor!
-Pois bem. A apatia que você insiste em descrever é na verdade um amuleto que você criou!
-Amuleto... ?
-Eu poderia descrever de forma acadêmica, mas você quer que eu seja...
-Direto; claro... Prossiga!
-A vida meu caro, é fomentada pelos sentimentos que desejamos cultivar. Cultive alegria e você viverá feliz. Cultive o amor e você será amado... mas você desejou cultivar os pontos negativos. Desejou a apatia!
Deixou ‘o grande amor da sua vida’ passar; casou-se com a segunda opção, permite que em seu trabalho lhe ditem até o que ganhar, empurrando sua carreira para um amanhã que nunca chega!
Seu carro tem conserto. Existem novos jogadores de bilhar em cada esquina e quem sabe esse ‘grande homem’ a que você se referiu se cansou de ser apenas um esparro numa relação com quem só reclama...
-Como?...
-Meu caro, esse amuleto que você cultiva em seu coração não lhe deixa ser feliz, simplesmente porque você não quer ser feliz...! Sinto muito.

-É tudo?
-Na verdade não, mas depende de você...
-Obrigado pela sua opinião...
-Por nada, passe bem. Ah, mande um beijo pra Ângela e pras crianças, diga a elas que o vovô sente saudades.
E quanto ao erro com o 'homem importante na sua vida', bem... Eu te amo, filho!
-Ok papai... Até mais ver!

Wendel Bernardes.




8 comentários:

  1. Reviravolta perfeita no final! Fiquei: "Putz! É o pai dele!" rs

    O pior é que geralmente é assim com a humanidade: sempre dando mais evidências aos pontos negativos de tudo.

    Quem sabe um dia aprendemos a ver o copo meio cheio?

    ResponderExcluir
  2. Poxa Alysson, que bom que que vc curtiu a 'reviravolta' do texto. Deixei aquela pimentinha de 'um homem importante da vida' e tal só para os desavisados ficarem com umas pulgas atrás das orelhas (kkkk)....

    É complicado, às vezes ficarmos ancorados em situações que são absolutamente parte do passado, e pensamos: "como seria assim"... "como seria assado"... E ficamos fugindo da realidade tendo esses sentimentos como amuletos remetendo ao passado, como um 'souvenir indesejável' que te faz andar em marcha-ré.

    Pra ouvir isso apenas de um terapeuta, e se ele for seu pai então.... Ainda mais eficiente!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Melhor é viver o presente !
    Bjs, Aurélio.

    ResponderExcluir
  4. Depende do presente em que se vive... Eu prefiro 'investir no futuro', Ingrid! Beijos!

    ResponderExcluir

Aqui escreve-se sobre ficção, ou sobre fatos à luz da mente do escritor. Assim sendo, cada um deles pode ser tão real quando uma mente pode determinar.
Seus comentários serão bem vindos se não forem ofensivos.

Ocorreu um erro neste gadget